Redação (Parte 2): Narrativa e Argumentação

Redação (Parte 2): Narrativa e Argumentação

Completando nosso primeiro artigo sobre Redação – Redação (Parte 1): A Produção de Textos – podemos entender melhor sobre o assunto. A escrita é uma tarefa que exige prática e dedicação. Por isso, se você deseja redigir, continue acompanhando as matérias que vamos compartilhar. Elas poderão ser boas ferramentas de uso na sua busca em melhorar a criação de textos, as suas redações.

As redações, especialmente as escolares, são em prosa (senão seriam poemas ou poesias, em versos).

Dissertativo é uma expressão inerente à própria redação; são sinônimos, na verdade. Portanto, uma redação é, via de regra, uma dissertação. E é escrita em prosa.

A diferença que pode haver entre os textos de uma redação (ou dissertação) é que eles podem ser ARGUMENTATIVOS ou NARRATIVOS.

1. ARGUMENTATIVOS: escolhe-se um tema (problema) e uma das hipóteses possíveis (a tese) sobre o tema para ser defendido com argumentos coerentes e eficientes. Exemplo:

  • tema = desigualdade social

  • hipóteses = má gestão pública; motivos históricos; corrupção; ganância dos países desenvolvidos, etc.

  • tese a ser defendida (escolhida por você) = a desigualdade social deve-se, principalmente, à má gestão pública.

 

2. NARRATIVOS: você vai relatar um fato, uma situação ou um lugar, seguindo determinada ordem cronológica.
Muitas são as técnicas para manter o texto coeso, objetivo, preciso e conciso.*

O que é um texto dissertativo-argumentativo?

É um texto opinativo, ou seja, defende um ponto de vista de um determinado assunto. A opinião é baseada em explicações e argumentos, para convencê-lo de que a ideia defendida está correta. Nesse aspecto é essencial expor e explicar ideias. Por isso dizemos que tem dupla natureza: a) argumentativo porque defende uma tese, uma opinião; e b) dissertativo porque se utiliza de explicações para a justificação.

Para que uma redação atenda às exigências de elaboração de um texto dissertativo-argumentativo, deve:

1 – apresentar uma tese, desenvolver justificativas para comprovar a tese e uma conclusão finalizando a discussão elaborada no texto, compondo o processo argumentativo.

2 – utilizar estratégias argumentativas para tornar evidente o problema que foi discutido no texto e detalhar os argumentos utilizados.

*O livro Curso de Redação, do professor Antônio Suárez Abreu, pode auxiliar você a ter várias ajudas nesse sentido.

Um dos fatores que ainda temos de levar em consideração é que a narração é marcada pela temporalidade. Tanto o fato como a ação acontecem em uma linha de tempo, por isso, quase sempre, esse é um dos primeiros elementos a ser apresentado durante a narrativa. Muitas questões de verossimilhança (atributo daquilo que parece intuitivamente verdadeiro) decorrem de como o tempo se apresenta: quando aconteceu e quanto tempo durou o fato. Dessa forma, deve-se ter  muita cautela, por parte do autor, ao unir o tempo à trama, de forma que ele contribua significantemente para dar veracidade ao enredo.

O espaço ou cenário é o outro elemento de suma importância na narrativa. Podemos classificar o cenário em dois tipos: físico e psicológico. O autor, quando apresenta o cenário, geralmente, cria uma descrição para tentar explorar quase todos os aspectos dos sentidos: visão, audição, olfato, tato e paladar. Em alguns casos, essa descrição também alcança o nível psicológico, configurando o clima emocional do local, ou seja, se o ambiente está tenso ou leve, triste ou alegre. A descrição psicológica, na literatura contemporânea, tem se sobressaído sobre a física, pois esse tipo de exploração atinge o que há de mais íntimo no ser humano, para que a trama seja ou torne-se tão real a ponto de o leitor se sentir o protagonista ou coadjuvante do enredo.

Autora: Marcela de Baumont

Via: Roxane Baumont