A adolescência de Johnny Paulistano – Parte 2

A adolescência de Johnny Paulistano – Parte 2

 

Desde que completou 14 anos de idade, Johnny começou a aprender a tocar violão com seu irmão, Tony.

No começo, os pais de Johnny acreditavam que seria apenas mais uma fase passageira, que logo ele esqueceria o instrumento e se apegaria a outra atividade.

Com o tempo, Johnny conheceu alguns garotos que também partilhavam da mesma paixão, a de aprender algum instrumento e tocar em conjunto.

 

Ao completar o seu 16º aniversário, Johnny começou a frequentar aulas de guitarra. Seu professor tinha muito conhecimento musical e já havia ensinado seu irmão, Tony. E, além disso, as aulas eram muito mais baratas do que em qualquer conservatório, por isso, seus pais concordaram em mantê-lo nas aulas.

Alguns meses depois, Johnny, com seus amigos, Teddy e Breno, montaram sua primeira banda de rock. Nenhum dos três era profissional, então, cada um assumiu o compromisso de estudar semanalmente e, uma vez por semana, eles ensaiavam.

Para Johnny, foi um tempo maravilhoso. Ele tinha feito grandes amigos na escola, já não era mais um garoto isolado do mundo e tinha montado sua própria banda. Era quase como se ele estivesse realizando um sonho.

 

Depois de alguns ensaios com seus amigos, Johnny percebeu que tocar as músicas criadas por outras pessoas não era o que ele queria para a vida dele. Johnny queria compor suas próprias letras e melodias para chamar de suas.

Começou, escreveu uma, mas não gostou. Escreveu outra, mais uma e muitas outras, até que uma delas o agradou e isso o deixou muito animado para compor outras músicas.

Quando compunha, Johnny não pensava no que os outros iam pensar das suas letras, ele queria passar, em suas músicas, o que estava sentindo naquele momento e agradar os ouvidos dos outros era apenas um detalhe.

E foi compondo suas canções que Johnny fez uma grande descoberta sobre ele mesmo. Todo aquele tempo em que ele se desligava do mundo e entrava em seu próprio universo, quando era mais novo, finalmente fez sentido, pois foi exatamente isso que o fez conseguir escrever algumas das suas melhores composições.

 

E os dias passaram…

 

Agora Johnny tinha 17 e já sabia o que queria da vida. Bem, pelo menos ele achava que sabia… Johnny só pensava em uma coisa: na banda. Porém, algo estava para mudar em sua vida.

 

Johnny foi chamado para fazer um estágio em uma empresa de contabilidade. Como ele era bom nas matérias exatas e já estava chegando perto de completar a maioridade, Johnny aceitou a proposta e foi trabalhar.

Essa, talvez, tenha sido a mudança mais difícil para Johnny porque ele estava acostumado com diversas coisas que, a partir da data de entrada no estágio, não poderia mais fazer.

 

Johnny teve que trocar o turno na escola e lutar contra ele mesmo para se adaptar ao novo desafio. Porém, ele só conseguiu vencer graças a duas coisas: aos conselhos de seus pais e à sua chefe.

Johnny entrou nessa empresa como estagiário aprendiz, por isso, tinha uma tutura dentro da empresa que era responsável pelo seu aprendizado e desenvolvimento.

Rachel, sua tutura, sempre muito atenciosa com Johnny, o fez perceber que seus pais tinham razão e que, mesmo ele não tendo a menor vontade de ir até a empresa, estar lá era melhor do que estar na rua perdendo tempo com atividades que não agregariam nenhum conhecimento nem o ajudariam para o futuro.

Isso sem contar que foi Rachel quem o fez enxergar a oportunidade que lhe foi concedida, que era rara e que ele precisava aproveitar o máximo que pudesse.

 

O tempo passou e Johnny completou 18 anos. No projeto em que Johnny estava estagiando, ao completar a maior idade, os menores tinham apenas dois caminhos: ou eram demitidos ou eram efetivados como assistentes.

Rachel fez questão de indicar a efetivação de Johnny, que quase não acreditou na notícia…

 

Agora ele poderia cursar a tão sonhada faculdade, que seus pais não teriam condições de pagar para ele, em razão da baixa renda da família.

Até hoje Johnny é grato a Rachel por essa indicação e por todos os conselhos que recebeu durante o período em que trabalharam juntos.

 

Sim, Johnny venceu mais um desafio na vida, porém, um desafio ainda maior estava por vir.

 

A juventude de Johnny Paulistano

 

Continua…

 

 

Autor: Charles B. Rock