Os bordados e seu fetiche

Os bordados e seu fetiche

 

Uma arte que acompanha o homem

 

Desde que a humanidade se conhece, algum tipo de bordado tem sido usado para dar mais graça a um tecido ou outro material.

Sabemos que as linhas, como são hoje confeccionadas, nem sempre foram tão finas nem possuíam a gama de cores que hoje alcançam. Mesmo com parcos recursos, o bordado enfrentou séculos e séculos para atingir um alto e raro grau de beleza.

 

Na Renascença, muitas formas de embelezar as roupas, principalmente dos nobres, mostravam o seu grande poder aquisitivo, com a aplicação de pedras preciosas, fios de ouro e de prata.

Desde o ponto pé de galinha até o rococó ou o rechelier, as etapas e o aprendizado dependem muito da dedicação da bordadeira, pois nesse caso a experiência com os materiais se aprimoram a cada nova peça.

 

Hoje temos máquinas que realizam com perfeição e rapidez os bordados mais difíceis encontrados, uma vez que a demanda tem crescido a cada ano. Ainda assim, o que durante tanto tempo foi feito manualmente não deixa de ter seu real valor e continua sendo admirado em todas as partes do mundo.

 

 

Autora: Marcela de Baumont

Via: Baumont Artisanat