Sussurros

Sussurros

  Sussurros do vento – balanço dos jasmins, pequenas pétalas caídas atapetando todo o jardim.   Encantos do dia frio vasculham meus pensamentos. Lembranças revivem silenciosamente os anos felizes da adolescência.   Pelas frestas da cortina, observo a lentidão da fina garoa, a descansar suas minúsculas gotas nas ramagens das jabuticabeiras.   No telhado, o açoite do vento faz vibrar alguns galhos, que se quedaram. O dia silencia-se com o frio!     Autora: Marcela…

Read More

Feridas

Feridas

  Na lança, a palavra Despedaça o ego dos tolos Escorada na razão Insensível ao coração. Na espreita, aponta  feridas Espiando a hora certa.   De repente, o golpe. Certeiro. Sem piedade. Na respiração pesada Suspiros perdidos. Nos olhos secos Suas palavras se escondem.   Na ciranda dos sentimentos Palavras descuidadas E interesses obscuros. Segredos do coração Cicatrizam amizades, Silenciam feridas Com lâminas afiadas.     Autora: Marcela de Baumont   Ficha técnica de Marcela…

Read More

A pequena Carolina

A pequena Carolina

  Menina sorridente: olhos arredondados, nariz afinado, boca pequena.   As mãos? Totalmente femininas, principalmente ao usar seu leque de penas de ganso.   Como tudo era jovial em Carolina!   E, quando necessário, sempre usava lenço de seda chinesa: tudo ornando com seu belo vestido de lese branco.     Autora: Marcela de Baumont   Ficha técnica de Marcela de Baumont: Formada em 1976, pela UFRGS, na Faculdade de Comunicação Social, é bacharel em…

Read More

Serenidade

Serenidade

  A montanha se agiganta à frente e é morada de ursos, raposas e lobos, que ao luar se esgueiram pelas ramagens.   As árvores que lá habitam são florescentes, desfilam suas cores primaveris à tarde e descem o desfiladeiro até a cabeceira do rio.   O rio avança altivo pela planície até atingir um vale extenso e verdejante. Então se abre em leque e irradia seu poder.   Na foz, ao beijar o mar,…

Read More

Sonho perdido

Sonho perdido

  Dentro do meu sonho, há um mar perdido de solidão, afligido e cansado, à procura de consolação…   Há uma constante nostalgia em meu pranto e só a voz dos anjos a me reconfortar. Espero um sinal de momentos felizes quando ainda estávamos a comemorar.   Lamento profundo e persistente em tudo – no falar, no calar, no repercutir – vibrando sem cessar e me acorrentando…   Soluços em meio às mentiras e pensamentos…

Read More

Calados

Calados

  Falam de forma estranha de jeito sofrido de cabeça baixa   Falam sem refletir no que dizem sem perceber as palavras sem ouvir a própria voz   Falam abertamente aos quatro ventos tenazmente e com eloquência inquietamente sem ser coerentes   Depois, calam! Deixam de argumentar o que é certo Deixam de atender os necessitados Deixam de observar o sol após a tempestade     Autora: Marcela de Baumont   Ficha técnica de Marcela…

Read More

Lisboa

Lisboa

  Torres góticas Arcos em palmas Pontes arcadas   Sol poente latente inconsequente Desnuda o Tejo Luz de prata lunar   Calçadas luminosas Paredes rústicas avermelhadas Janelas trancadas Cortinas em linho fino   Bordados na praça A preço final Dia de festa Fados xales romarias   Portão lisbonense Cadeados niquelados Armadura de papel     Autora: Marcela de Baumont   Ficha técnica de Marcela de Baumont: Formada em 1976, pela UFRGS, na Faculdade de Comunicação…

Read More

Independência

Independência

  O próprio dia se levanta Em forma de cores vibrantes, Saudando a todos Com seu vibrar retumbante.   Corre o tempo solene Enquanto fazemos batalhas, Levando no peito armadura Para alcançarmos vitória.   Além de sermos pungentes, Além de sermos contumazes, Procuramos sempre olhar em frente Para nos tornarmos independentes.   A terra ressalta o senso De estarmos todos aliados, Formando uma imensa corrente Pelo caráter de nosso heroísmo.   Alertas como as formigas,…

Read More

Noite das paixões

Noite das paixões

  A noite espreita a lua, Que sozinha e pensativa, Vai passear pelos montes, Conhecer novos horizontes, Se vestir com maestria.   A noite soluça ao vento, Que veloz e cativante, Sai a viajar com destreza, Se aproxima da serrania E vaga com a calmaria.   A noite estende seus braços Sobre as árvores e os pássaros, Acalenta com ternura os sonhadores, Carrega os corações e suas paixões Ao domínio supremo da harmonia.    …

Read More
1 2 3 4 5 6 11