Fidura e Thiago Bandeira – “Trabalha, poeta”

Fidura e Thiago Bandeira – “Trabalha, poeta”

 

Fidura e Thiago Bandeira – “Trabalha, poeta”

 

Imagine o que seria deste mundo

Se todo vagabundo resolvesse trabalhar

Não haveria vaga nem no cabo de enxada

Para aquele que vive a madrugar

 

Minhas dívidas eu pago com poesia

Vendo as minhas roupas, mas não largo o violão

E sempre ouvindo o que mamãe dizia

Eu cantando respondia nos versos da canção

 

Sou arquiteto, artesão, engenheiro e cientista

Alquimista, professor, sou modelo, sou modista

Sou profeta, sou pastor e tudo o mais, menos artista

Sou a moça sem pudor que quer ser capa de revista

 

Minhas dívidas eu pago com poesia

Vendo as minhas roupas, mas não largo o violão

E sempre ouvindo o que mamãe dizia

Eu cantando respondia nos versos da canção

 

Confira o clipe oficial dessa música:

(Vídeo gravado em Montpellier na França)

Sobre Fidura Cardial

Nascido em São Paulo e criado em Ilhabela desde os 6 meses de vida, Fidura traz consigo e em suas canções o espírito caiçara de liberdade e tranquilidade.
É violonista, cantor, compositor, viajante e amante do mar.
Estudou o primeiro e segundo graus em Ilhabela e, hoje, percorre o curso de música na faculdade em São Paulo.

Em janeiro de 2015, lançou com seu irmão, Kiko Cardial, o disco de abrir caminho em um inesquecível show em Ilhabela. O disco é fruto de uma viagem de 8 meses que fez se aventurando sozinho (e depois com a presença do irmão), com mochila nas costas e violão no braço, percorrendo e trabalhando pelo Brasil e Europa.

 

Quer saber mais sobre o Fidura ou contratá-lo para uma apresentação? Confira seu perfil no Facebook: facebook.com/fecardial