Céu de contrastes

Céu de contrastes

  O céu reverteu seu contraste na densa face do rio… Os dias que passam ao lado se sobrepõem às sinfonias da tarde.   Leve brisa que nos acena seu breve sorriso encantador… Os momentos vão se alinhando ao horizonte das nossas vibrações.   E pouco a pouco, vagarosamente, as aves se aninham em galhos, o mais escondido possível, bem longe do chão.   A insistência dos ventos traz ainda um ar de inverno estranho,…

Read More

Por que temos de crescer?

Por que temos de crescer?

  Por que nos separamos dos amigos das amigas dos lugares agradáveis da escola primária do sorvete na pracinha do chiclete de bolinha das pipas ao vento dos rojões de junho do caderno com espiral do travesseiro furado do doce da vovó do cachorro-quente e suco de maracujá de correr na chuva descalços de brincar de roda e pega-pega de furar bolo com confetes…   Pergunto então: por que temos de crescer tão rápido?  …

Read More

De menino e de vento

De menino e de vento

  Quando o céu veio chorando, Não sabia que eu era menino, Não conhecia o canto da flor.   Fiquei parado, desatento, Aturdido com falas e murmúrios.   Queria correr, correr não podia, Queria gritar, gritar não conseguia. Tudo ficara quieto e sonolento.   E o vento, um vento insuflado, Cortante como o velho Minuano, Gostava de atordoar o rio.   As fileiras, que carregam sulcos, Não pensavam direito, cambaleavam, Na ponta de uma caneta…

Read More

Crianças no Campo de Camomila

Crianças no Campo de Camomila

  No imenso campo, descansam camomilas. Dançam ao menor movimento do vento.   Crianças do vilarejo saem às pressas da escola, logo ao lado, e vão pulverizar com seus sorrisos infantis o doce e perfumado aroma das flores.   Não há pintor que consiga captar tamanha euforia, uma alegria imensurável. Com suas faces delicadas e ingênuas, fazem da paisagem o regaço de sua infância.     Autora: Marcela de Baumont   Ficha técnica de Marcela…

Read More

Incompatíveis

Incompatíveis

  Canais vazios.   O trajeto presume a ida e a volta… São perspectivas inalteradas.   A trilha reservada está solene observando os canais. Não trazem reservas ou despojos.   Incompatíveis percorrem, lado a lado, costurando a margem. Mas desprendem recantos minúsculos que nenhum valor têm cuidado.     Autora: Marcela de Baumont   Ficha técnica de Marcela de Baumont: Formada em 1976, pela UFRGS, na Faculdade de Comunicação Social, é bacharel em Jornalismo, Relações…

Read More

Infinito azul

Infinito azul

  Flocos de algodão descem e sobem, parecem balões, no céu de paz, a deslizarem até o horizonte e chegarem ao infinito azul!   Como um grande sonho, voamos além onde o sol se encanta com as montanhas divertidas que mergulham após o derradeiro poente!   Acima, bem depois que nossa vista alcança, os extensos cirros se despedem e se lançam às maiores altitudes, se encontrando com a plenitude.     Autora: Marcela de Baumont…

Read More

Sussurros

Sussurros

  Sussurros do vento – balanço dos jasmins, pequenas pétalas caídas atapetando todo o jardim.   Encantos do dia frio vasculham meus pensamentos. Lembranças revivem silenciosamente os anos felizes da adolescência.   Pelas frestas da cortina, observo a lentidão da fina garoa, a descansar suas minúsculas gotas nas ramagens das jabuticabeiras.   No telhado, o açoite do vento faz vibrar alguns galhos, que se quedaram. O dia silencia-se com o frio!     Autora: Marcela…

Read More

Feridas

Feridas

  Na lança, a palavra Despedaça o ego dos tolos Escorada na razão Insensível ao coração. Na espreita, aponta  feridas Espiando a hora certa.   De repente, o golpe. Certeiro. Sem piedade. Na respiração pesada Suspiros perdidos. Nos olhos secos Suas palavras se escondem.   Na ciranda dos sentimentos Palavras descuidadas E interesses obscuros. Segredos do coração Cicatrizam amizades, Silenciam feridas Com lâminas afiadas.     Autora: Marcela de Baumont   Ficha técnica de Marcela…

Read More

A pequena Carolina

A pequena Carolina

  Menina sorridente: olhos arredondados, nariz afinado, boca pequena.   As mãos? Totalmente femininas, principalmente ao usar seu leque de penas de ganso.   Como tudo era jovial em Carolina!   E, quando necessário, sempre usava lenço de seda chinesa: tudo ornando com seu belo vestido de lese branco.     Autora: Marcela de Baumont   Ficha técnica de Marcela de Baumont: Formada em 1976, pela UFRGS, na Faculdade de Comunicação Social, é bacharel em…

Read More
1 2 3 4 5 11